Tratamentos Psicossociais para o transtorno bipolar

Dra Rosilda Antonio

Apesar de ser prioritário, o tratamento medicamentoso não é suficiente, pois, uma vez controlados os fatores biológicos, faz-se necessário trabalhar com o indivíduo para ele recuperar sua capacidade funcional e lidar com os prejuízos acarretados pelas consequências de seu transtorno (perdas de emprego, de relacionamentos, de oportunidades, da autoestima e construção de uma visão negativa da vida, entre outros). Para tratar das consequências psicológicas e sociais dos transtornos de humor são indicados os tratamentos psicossociais, ou seja, as diversas formas de psicoterapias. Um fator importante, qualquer que seja o tipo de abordagem psicossocial, é que o terapeuta tenha conhecimento do transtorno e possa reconhecer os seus sintomas e sinais significativos, a fim de orientar-se na condução da psicoterapia.

As abordagens psicossociais mais pesquisadas para o tratamento dos transtornos do humor são descritas a seguir:

  • Terapia cognitivo-comportamental (TCC): ajuda pessoas com transtorno bipolar a aprender a modificar padrões de pensamento e comportamentos inadequados ou negativos associados à doença.
  • Psicoeducação: propõe-se ensinar as pessoas com transtorno bipolar a respeito da doença e seu tratamento e como reconhecer os sinais de recorrência , de modo que se possa procurar uma intervenção imediata, antes que ocorra um episódio franco da doença. A psicoeducação também pode ser indicada para os membros da família. Constitui-se, em geral, de uma palestra sobre um tópico relativo ao TB seguido por um compartilhamento dos participantes tanto de dúvidas como de vivências.
  • Terapia Focada na Família: é uma abordagem familiar criada por David Miklowitz, psicólogo americano, que usa estratégias psicoeducacionais, exercícios e também role playing, para reduzir o nível de angústia na família, identificar e modificar padrões disfuncionais de comunicação que tornam o ambiente familiar com alto nível de emoção expressa e que podem contribuir para os sintomas da pessoa ou, ao contrário, ser decorrente dos mesmos.
  • Terapia interpessoal e do ritmo social: ajuda pessoas portadoras de transtorno bipolar tanto a melhorar as relações sociais como a regularizar suas rotinas diárias. Rotinas diárias e horários de sono regulares podem ajudar o paciente a evitar episódios maníacos.

Apesar de suas diferenças, todas elas têm como objetivo comum:

a) o controle dos fatores de risco associados à ocorrência e à recorrência de episódios, especialmente à não aderência ao tratamento farmacológico; e
b) a diminuição dos prejuízos e consequências psicossociais causados pelos transtornos e que não melhoram apenas com a redução da sintomatologia.

Segundo a Associação Psiquiátrica Americana, a maioria dos pacientes com TB enfrenta algumas das seguintes dificuldades:

  • Conseqüências emocionais dos episódios de mania, depressão ou misto;
  • Consciência de ter uma doença crônica;
  • Contato com o estigma da doença;
  • Prejuízos no desenvolvimento;
  • Medo da recorrência de episódios;
  • Dificuldades interpessoais no casamento, ambiente familiar e social;
  • Problemas ocupacionais;
  • Conseqüências legais e sociais decorrentes de comportamento inadequado ou violento durante as crises.

Todas essas dificuldades fogem do âmbito do tratamento medicamentosos e demandam intervenções psicossociais com vistas a dar instrumentos para o indivíduo portador lidar com seu transtorno e a participar ativamente de seu tratamento.

Bibliografia consultada

1. American Psychiatry Association (APA) – Diretrizes para o Tratamento dos Transtornos Psiquiátricos – Porto Alegre: Artmed, 2005
2. ROSO, M. C.; MORENO, R. A. Aspectos Psicossociais da Terapêutica In: MORENO RA, MORENO D H. Da psicose maníaco – depressiva ao espectro bipolar. 3ª. ed. São Paulo: Segmento Farma, p.457-478, 2008.
3. Colom F, Reinares M, Tratamientos psicológicos eficaces en los trastornos bipolares. In: Vieta E. Novedades en el tratamiento del Trastorno Bipolar. Madrid: Médica Panamericana, pp 73-84, 2003.
4. Justo LP, Calil HM, Intervenções Psicossociais no transtorno bipolar. Revista de Psiquiatria Clínica 31, n. 2, pp. 91-99, 2004.

« Voltar

Destaques

Seja um Voluntário ABRATA

A ABRATA seleciona candidatos para o trabalho voluntário que estão disponíveis para doar seu talento, tempo e trabalho para a prestação do serviço voluntário ao próximo. Não há necessidade de experiência em lidar com os familiares e as pessoas com transtorno bipolar e depressão, basta apenas ter a vontade e o desejo de ajudar.

Campanha Depressão Bipolar:”Está na hora de falar sobre isso”

Depressão bipolar: está na hora de falar sobre isso” é a mais nova campanha da Daiichi Sankyo, que tem o apoio da ABRATA - Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos. O objetivo é conscientizar a população em geral sobre a importância da depressão bipolar, doença que atinge mais de seis milhões de brasileiros e depende de melhor diagnóstico e tratamento adequado.