7 Sinais que mostram quando um ente querido com TB precisa de ajuda

Por: Julie A. Fast

Aqui estão sete sinais de doença compartilhados pela maioria de nós, pessoas com transtorno bipolar, que você pode perceber para ajudar um ente querido.

É difícil saber quando o familiar deve intervir para levar a alguém com transtorno bipolar à ajuda de que precisam.  A maioria das pessoas quer respeitar os direitos dos outros e não interferir ou parecer intrometido e mandão.

Estou aqui para lhe dizer que, como uma pessoa com transtorno bipolar – EU PRECISO que as pessoas ao meu redor percebam os sinais de que estou doente.

  1. Os comportamentos atuais não estão de acordo com os comportamentos passados.

Por exemplo: Uma pessoa que tem sido empática ao longo da vida, de repente se torna egoísta e insensível e diz: “Eu nunca amei você! Você finalmente está vendo o meu verdadeiro eu!

  1. A pessoa deixa de prestar atenção ao que sempre foi importante.

Isso pode incluir estar com seus filhos. As pessoas que se preocupavam em ajudar os animais esquecerão de alimentá-los ou poderão expulsá-los do caminho. Uma pessoa que ama o trabalho, simplesmente vai parar de ir e dirá: “Não importa se eu for demitido! Eu posso encontrar um emprego em qualquer lugar!

  1. A pessoa não escuta.

Isso será em comparação a como a pessoa geralmente se comporta. Se você vê uma mudança significativa  em quanto a pessoa fala, ou quanto ela discute ou como ela perde a capacidade de ouvir, este é sempre um sinal preocupante.

  1. Você é o problema.

Quando você tenta expor suas preocupações, a pessoa com transtorno bipolar se volta para você e diz: “Oh, eu sou o único com problema! Eu sou o problema aqui? E quanto a você e tudo o que está errado na sua vida?

  1. Eles vão embora.

Isso é incrivelmente angustiante e chocante para os entes queridos. Antes de ser diagnosticada, eu costumava ficar maníaca e entrar em um avião dentro de alguns dias e ir embora. Então eu acordava em um novo país e me perguntava: “O que diabos eu acabei de fazer? O que há de errado comigo?

  1. A raiva aumenta.

Isso começa com irritação sobre as pequenas coisas. “Por que você colocou minha bolsa lá!” E pode se transformar em violência física se o episódio for longe demais.

  1. Alterações faciais e corporais.

Isso inclui olhos, como a pessoa anda, usa maquiagem e usa as roupas para expressar um humor. Por exemplo, alguém conservador que de repente faz um corte de cabelo no estilo moicano ou usa uma saia muito curta.

Se você se preocupa com alguém com transtorno bipolar, crie suas próprias listas dos sintomas em torno da mania, depressão, ansiedade, psicose, problemas de foco, irritação e raiva e comece a observar os padrões em seus entes queridos.  Meu livro “Take Charge of Bipolar Disorder “, explica como as pessoas podem buscar a estabilidade no transtorno bipolar e como um ente querido pode ajudar. Meu livro “Loving Someone with Bipolar Disorder”  é especificamente para os parceiros.

Confie em sua intuição. Quando você ama alguém com transtorno bipolar, você também é importante! Seus sentimentos e reações aos comportamentos da pessoa são seus próprios. Você não está tentando mudar alguém se você buscar a estabilidade em sua própria vida. É normal que você espere que uma pessoa com transtorno bipolar obtenha  ajuda, se o comportamento dela afeta sua vida.

O trabalho em equipe ajuda a nós com transtorno bipolar a estabilizar os sintomas. Precisamos de entes queridos para nos ajudar a alcançar nossos objetivos e encontrar a felicidade na vida.

Mais uma dica # 8: Nós ficamos na cama.

A foto deste blog é de quando eu me arrastei para a cama, no dia seguinte, durante um período de declínio. Eu odeio fazer isso, então tirei uma foto minha e disse: “Saia da cama Julie!” Ver um ente querido ficar na cama é sempre um sinal de que algo não está bem. Minha família sabe que “Julie na cama, assistindo vídeos compulsivamente” não é um bom sinal e eles têm a minha permissão para me ajudar a lidar com minha depressão.

SOBRE O AUTOR

Julie A. Fast é autora de “Loving Someone with Bipolar Disorder” (Tradução livre: Amando Alguém com Transtorno Bipolar”, “Encarregue-se do Transtorno Bipolar”, “Get it Done When You’re Depressed” and “The Health Cards Treatment System for Bipolar Disorder.” (Tradução livre: “Faça-o Quando Você Está Deprimido” e “O Sistema  de cartões para Tratamento de Saúde para o Transtorno Bipolar”). Ela é colunista e blogueira da BP Magazine e ganhou o prêmio de jornalismo Saúde Mental América pela melhor coluna de saúde mental dos EUA. Julie também recebeu o prêmio Eli Lily Reintegração por seu trabalho sobre advocacia do transtorno bipolar.  Você pode encontrar mais informações sobre o trabalho da autora em JulieFast.com e BipolarHappens.com.

Fonte: https://www.bphope.com/blog/seven-signs-a-loved-one-with-bipolar-disorder-needs-help/

Tradução: Equipe ABRATA

« Voltar

Destaques

Seja um Voluntário ABRATA

A ABRATA seleciona candidatos para o trabalho voluntário que estão disponíveis para doar seu talento, tempo e trabalho para a prestação do serviço voluntário ao próximo. Não há necessidade de experiência em lidar com os familiares e as pessoas com transtorno bipolar e depressão, basta apenas ter a vontade e o desejo de ajudar.

Campanha “Pode Contar”

A campanha "Pode Contar", é uma iniciativa do Laboratório Sanofi-Medley, com o apoio da ABRATA, que visa ajudar, com empatia, pessoas que lhe sejam próximas e colaborando para o enfrentamento da depressão. É também um canal de ajuda para quem apresenta depressão, fornecendo informações sobre os sintomas, causas, como lidar, e acima de tudo: como fazer para pedir ajuda e não se "sentir sozinho".

Campanha “Depressão Bipolar, está na hora de falar sobre isso”

Depressão bipolar: está na hora de falar sobre isso” é a mais nova campanha da Daiichi Sankyo, que tem o apoio da ABRATA - Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos. O objetivo é conscientizar a população em geral sobre a importância da depressão bipolar, doença que atinge mais de seis milhões de brasileiros e depende de melhor diagnóstico e tratamento adequado.

2019-08-20T17:05:50+00:00 20 de agosto de 2019|Categorias: Blog|Tags: , , , , , , |0 Comentários

Deixe o seu comentário