Suicídio de jovens mulheres avança em São Paulo

A curta história de Ariele Vidal Farias integra um fenômeno crescente na cidade de São Paulo: os casos de suicídio de jovens mulheres, com idade entre 15 e 34 anos.

Mais velha de três irmãos, Ariele vivia com a mãe —os pais, separados, mas de convivência amistosa, contam que nunca notaram sinais de depressão na primogênita. Em março de 2014, ao voltar para casa à tarde, após a escola, a irmã mais nova encontrou Ariele enforcada. Ela tinha 18 anos. A família descobriria depois que a ex-escoteira treinara os nós a partir de um livro, deixado fora do lugar, e até uma boneca foi encontrada nos seus pertences com um laço no pescoço.

Na carta de despedida, escreveu: “Gente morta não decepciona ninguém”.

O número de suicídios de mulheres de 15 a 34 anos na capital, que representava 20% do total nessa faixa em 2010, pulou para 25% quatro anos depois.

De acordo com o “Mapa da Violência — Os Jovens do Brasil”, estudo elaborado pela Flacso (Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais), a taxa de suicídio dos jovens em São Paulo aumentou 42% entre 2002 e 2012.

Oficial de Justiça Ivo Oliveira Farias, pai de Ariele; ela se matou em 2014, aos 18 anos, enforcada. Imagem: Bruno Santos/Folhapress

Oficial de Justiça Ivo Oliveira Farias, pai de Ariele; ela se matou em 2014, aos 18 anos, enforcada. Imagem: Bruno Santos/Folhapress

Tenho duas conjecturas para a decisão dela. Uma possível crise pela descoberta da homossexualidade, ela tinha contado para uma tia que gostava de uma menina, e o fato de ser muito exigente consigo mesma“, responde o pai de Ariele, o oficial de justiça Ivo Oliveira Farias, 58.

A filha se preparava para seguir sua carreira. Dias depois do enterro, a família receberia a notícia de que ela fora aprovada em direito.

Psiquiatras entrevistados pela Folha citam o agravamento de doenças psíquicas como o principal fator para explicar o aumento de casos entre jovens mulheres. Contribuem também aspectos como maior competitividade e pressão —profissional e familiar—, bullying, dificuldade para lidar com decepções e o consumo de álcool e drogas.

Em grandes cidades, outro fator citado por psiquiatras e psicólogos é o isolamento.

Há uma mudança de comportamento nas mulheres, as mais jovens mostram dificuldade para enfrentar adversidades, pessoais e profissionais“, afirma a psiquiatra Alexandrina Meleiro, coordenadora de prevenção e suicídio da Associação Brasileira de Psiquiatria.

O aumento segue tendência mundial, elevando a prática para a segunda causa de morte entre jovens mulheres —entre os homens, o suicídio está na quarta posição.

Considerado tabu, o tema tem alta subnotificação, que especialistas estimam em cerca de 30%. Na certidão de óbito de Ariele, consta como a causa da morte enforcamento, não suicídio.

ELAS E ELES

Os suicídios costumam ocorrer com mais frequência, segundo estatísticas, na parte da tarde, com os atos realizados geralmente em casa.

Apesar de as práticas violentas estarem mais associadas aos homens, especialistas alertam para o crescimento de suicídios violentos entre as mulheres, com um expressivo número de casos de moças que se jogaram de prédios, por exemplo.

O enforcamento, contudo, ainda é o principal meio para se tirar a vida, seja entre homens ou mulheres. Ainda assim, são eles quem se matam mais —a exceção mundial é a China.

Geralmente, a média é de a cada três suicídios de homem, ocorre um de mulher. Entre os jovens, estamos observando que a taxa diminuiu, de três para dois ou mesmo de dois para um“, acrescenta Alexandrina Meleiro.

Para os familiares, o mais difícil é lidar com o luto. Não raro, pais, filhos e viúvas desenvolvem elas também a vontade de se suicidar.

O luto não termina”, conta Ivo. “Parece que não estávamos à altura para lidar com o sofrimento dela. É algo que te tira a sensibilidade para todas as demais tragédias.

Ivo era dançarino de salão, mas não bailou mais desde a morte de Ariele. “Não consigo dançar. Nem os meus amigos conseguem entender“.

GRUPOS DE AJUDA

Aos poucos, as histórias começam a ser contadas pelos oito participantes de uma reunião mensal realizada na pequena sala de uma casa no bairro da Bela Vista, na região central de São Paulo.
Apenas dois dos presentes se conhecem de encontros anteriores. Os demais visitam o local pela primeira vez.

Um rapaz de 34 anos relata o suicídio do namorado, que tinha se jogado de um prédio havia 50 dias.

À sua direita, o jovem que o acompanhava, amigo do casal, também tinha um caso de suicídio no círculo familiar: a irmã mais nova se enforcara em casa, há cinco anos.
Um jovem de 19 anos conta que começou a pensar em se matar após a namorada pôr fim à relação entre eles.

Para a garota de 18 anos ao seu lado, a vontade se manifestou pela primeira vez, disse, aos 10. “Ninguém nunca percebeu a minha depressão”, contou.

A jovem disse que, depois de tentar se matar, no ano passado, o pai, separado da mãe, deixou de falar com ela e se afastou, suspendendo os pagamentos da faculdade e a mesada.

Conduzido por voluntários do CVV (Centro de Valorização da Vida), que atua na prevenção do suicídio, o encontro tem função terapêutica para os participantes.

Segundo Tino Peres, um dos voluntários, o objetivo é promover a troca de experiências entre os sobreviventes, como são chamados familiares de suicidas e quem sobreviveu à tentativa de se matar.

A reportagem da Folha acompanhou a reunião no início deste mês, que contou ainda com a participação do oficial de justiça Ivo Oliveira Farias e de outras três pessoas —uma mulher, cujo pai se matou há 17 anos, e mãe e filha, esta última, segundo contou, sobrevivente de duas tentativas de suicídio.

Relatos de jovens que tentam se matar desde os dez anos são mais frequentes do que se imagina”, afirma a psicóloga Karen Scavacini, do Instituto Vita Alere, que também organiza encontros entre sobreviventes. “Os grupos têm uma função essencial, eles criam um fator de pertencimento forte. Falar sobre o suicídio é muito importante para preveni-lo“.

Em relação às tentativas de suicídio, elas chegam a ser 20 vezes maiores do que os óbitos consumados.

No ano passado, uma das jovens que tentou se matar em São Paulo foi uma adolescente de 15 anos (seu nome é preservado a pedido). Após cortar o pulso seis vezes, ela passou a ter acompanhamento médico e psicológico, e então a situação ficou sob controle.

Um dos motivos, segundo o pai, foi a dúvida sobre a sua sexualidade, sem saber se gostava de meninos ou meninas. “Acho que, se quisesse, ela teria se matado. Mas e se numa tentativa dessas ela erra a mão e passa do ponto?”, pergunta.

Das 2.240 pessoas que, pelas estatísticas, tentaram suicídio em São Paulo em 2014, 34 morreram antes do atendimento médico ou durante ele.

MONITORAMENTO

Fenômeno que ocorre cada vez mais entre os jovens, homens ou mulheres, o suicídio deve ser abordado sem estigmas, afirmam especialistas.

Os tratamentos psiquiátricos e psicológicos são recomendados para os sobreviventes, estejam eles participando ou não de grupos como os do CVV (Centro de Valorização da Vida).

Na rede pública de saúde de São Paulo, a Covisa (Coordenação de Vigilância em Saúde) monitora casos de potenciais suicidas.

Se alguma pessoa for internada duas vezes seguidas por intoxicação, por exemplo, o órgão pode encaminhá-la para acompanhament

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2016/02/1742198-suicidio-de-jovens-mulheres-avanca-em-sao-paulo.shtml

Autor: LUCAS FERRAZ/ DE SÃO PAULO

« Voltar

Destaques

Seja um Voluntário ABRATA

A ABRATA seleciona candidatos para o trabalho voluntário que estão disponíveis para doar seu talento, tempo e trabalho para a prestação do serviço voluntário ao próximo. Não há necessidade de experiência em lidar com os familiares e as pessoas com transtorno bipolar e depressão, basta apenas ter a vontade e o desejo de ajudar.

Campanha “Pode Contar”

A campanha "Pode Contar", é uma iniciativa do Laboratório Sanofi-Medley, com o apoio da ABRATA, que visa ajudar, com empatia, pessoas que lhe sejam próximas e colaborando para o enfrentamento da depressão. É também um canal de ajuda para quem apresenta depressão, fornecendo informações sobre os sintomas, causas, como lidar, e acima de tudo: como fazer para pedir ajuda e não se "sentir sozinho".

Campanha “Depressão Bipolar, está na hora de falar sobre isso”

Depressão bipolar: está na hora de falar sobre isso” é a mais nova campanha da Daiichi Sankyo, que tem o apoio da ABRATA - Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos. O objetivo é conscientizar a população em geral sobre a importância da depressão bipolar, doença que atinge mais de seis milhões de brasileiros e depende de melhor diagnóstico e tratamento adequado.

4 Comentários

  1. Alcina Maria Geiger de Pinho 24 de fevereiro de 2016 às 23:11 - Responder

    Em 1976, minha irmã tentou o suicídio, tomando uma overdose de remédios controlados que conseguiu roubar do consultório do marido. Salvou-se por milagre.Ficou 5 dias em coma total. Este assunto passou a ser motivo de querer entender o que faz uma pessoa tentar ou matar-se. Até hoje, tenho uma certa birra com ela por ter feito isso. Minha mãe não aguentou quando soube, deprimiu, e faleceu do coração pouco tempo depois.Atualmente tenho assistido videos de Dra Alexandrina Meleiro, estou mais aliviada. Tive uma colega de trabalho que jogou-se do terraço da FGV no Rio. Estava muito deprimida tambem em 1974.

    • Equipe Abrata 20 de abril de 2016 às 23:07 - Responder

      Prezada Alcina

      Lidar emocionalmente com todas as situações emocionais provocadas pela perda de uma pessoa amada por suicido não é uma tarefa fácil. Além de ser extremamente dolorida, sofrida e carregada de sentimentos contraditórios. Para a sua irmã, lidar com a situação após a tentativa também não deve ter sido fácil. A pessoa que vivencia uma situação extrema como essa quase sempre quer ao mesmo tempo alcançar a morte, mas também viver. Sentimentos ambivalentes. Vários motivos podem levar alguém ao suicídio. Normalmente, a pessoa tem necessidade de aliviar pressões externas como cobranças sociais, culpa, remorso, depressão, ansiedade, medo, fracasso, humilhação etc.
      Mas vc relata um caminho pessoal de buscar mais conhecimento acerca do assunto. Conhecer nos conduz a uma atitude mais positiva, para lidar com assuntos tão dolorosos e de perdas.
      Grande abraço
      Equipe ABRATA

    • abrata 13 de dezembro de 2018 às 08:23 - Responder

      Estimada Alcina,
      A busca pela compreensão para uma tentativa de suicídio é complexa, sofrida e muitas vezes as resposta não veem no tempo que desejamos. A indignação poderá tomar conta da nossa alma por longo período. Mas a pessoa que a escolha um ato deste – o suicídio – está num sofrimento e adoecimento psíquico tão profundo, que deseja livrar-se dessa dor pela incapacidade plena de lidar com ela. O seu relato acerca das nossas palestras é muito importante para nós em saber que podemos acolher e apoiar as pessoas que nos procuram.
      Carinhoso abraço
      Equipe ABRATA

  2. abrata 13 de dezembro de 2018 às 08:15 - Responder

    Prezada Tania
    Agradecemos o seu comentário.
    Abraço
    Equipe ABRATA

Deixe o seu comentário