Psiquiatra alerta para importância da família no tratamento de bipolares

Transtorno bipolar foi tema do XXXI Congresso Brasileiro de Psiquiatria.

images (21)

É impossível tratar pacientes bipolares sem o apoio da família”. Essa foi uma das convicções que Doris Moreno, doutora em psiquiatria pela Universidade de São Paulo (USP), trouxe para apresentação no XXXI Congresso Brasileiro de Psiquiatria, que aconteceu em Curitiba, em outubro deste ano. Para Moreno, além do auxílio no decorrer do tratamento, a proximidade da família também é importante para auxílio no diagnóstico do transtorno bipolar.

A doença atinge cerca de 4% da população adulta no Brasil, o que representa 6 milhões de pessoas, de acordo com a Associação Brasileira de Transtorno Bipolar (ABTB).  O transtorno é geneticamente determinado e caracterizado por alterações de humor, comportamento, raciocínio e sentimentos, que se alternam entre três fases, chamadas de episódios – mania, hipomania, e depressão. Segundo Moreno, os estudo atuais da área ainda apontam para episódios mistos entre estes três cenários, e há ainda os períodos de normalidade, quando o paciente está controlado.

Apesar de ser costumeiramente descoberto na idade adulta, os sintomas do transtorno bipolar começam a ser manifestar ainda na infância e na adolescência, atingindo o pico entre os 15 e os 19 anos. “Os sintomas vão em ascendência dos cinco anos, e, até os 20, a doença já está desenvolvida. Muitas vezes os sinais inicias são falta de atenção e irritabilidade”, explica a doutora. Ela alerta os psiquiatras de que é preciso muito cuidado com o diagnóstico, já que muitas destas características se confundem com outros problemas, como o déficit de atenção e a hiperatividade, além das características comuns do comportamento dos jovens.

imagesc

Neste sentido, a família tem papel fundamental para identificar comportamentos que se manifestam nas crianças e adolescentes, explica a psiquiatra. “Em geral, é percebido pelos sintomas de depressão. A pessoa fica mais apática, com menos energia, dorme mais, mais cansaço, menos graça na vida, as coisas já não interessam tanto, a concentração começa a falhar”. É possível também perceber sinais de transtorno bipolar através de comportamentos típicos de mania. “A pessoa fica mais desinibida socialmente, mais expansiva, com aumento de energia mental e física e de impulso. Na mania sempre tem impulsividade, e os sintomas geram consequências como grandes dívidas, transar sem preservativos achando que não vai acontecer nada, brigas, grandiosidade delirante”, detalha a psiquiatra.

Já na hipomania, os sintomas são parecidos com os da mania, mas, por se apresentarem em um grau menor, são mais difíceis de serem identificados. “O período de hipomania, em geral, passa despercebido, passa por uma fase boa, mais produtiva. Mas o que acontece nessas situações é que a pessoa aumenta a libido, faz tatuagens a mais, coloca piercings e a impulsividade aumenta. A pessoa começa a se encher e achar monótono o que está fazendo, começa a pensar em um monte de outras ideias que seriam mais legais. Então, essas pessoas não conseguem ir para frente”, diz Moreno.

Ela diz que é comum que estas manifestações de sinais de bipolaridade não sejam associadas uma com a outra, porém, a percepção deste sinais e o relato de todos eles para o médico psiquiatra é fundamental para o diagnóstico, explica Moreno.

images (58)

 “O psiquiatra é quem irá avaliar se precisar dar remédio, ou não. É o psiquiatra que encaminha para a terapia, tudo isso a partir do diagnóstico, que é o ponto inicial, o que dá o norte para a conduta.”  Doris Moreno, psiquiatra

Mesmo após o início do tratamento, a presença da família continua sendo de fundamental importância, de acordo com Moreno. “É a família que traz para o médico, a família é importante para a adesão ao tratamento. Não só na fase aguda, mas também para fazer com que o paciente tome a medicação ao longo do tempo, porque sem isso não adianta”, analisa. Por isso, a psiquiatra ressalta que os familiares também precisam entender sobre o transtorno e suas consequências. “Como a doença é crônica, de vida toda, o que acontece é que quando a pessoa está em depressão todo mundo apoia, as pessoas entendem, e, em geral, o paciente não está agressivo. Mas quando ele entra em mania ou hipomania, que são as fases de mais agitação, em que o paciente acha que é o dono da razão, a família não entende, é muito difícil para lidar. A família é quem sofre o impacto do sintomas, e se eles não souberem que isso não é por sem-vergonhice, por mau-caratismo, chega uma hora que isso cansa”, avalia a psiquiatra.

Outro ponto destacado por Moreno na relação entre o psiquiatra e a família do paciente é a construção de um quadro realístico do comportamento do paciente fora do consultório. “Eles distorcem a realidade. Um paciente pode dizer o contrário do que está acontecendo em casa, e se você não tiver essa informação precisa vai achar que a família é um monstro. O tratamento implica em avaliar em 360 graus, e por isso as famílias devem ser ensinadas e amparadas. Nós estamos diante de uma doença complexa, um camaleão”, concluiu a psiquiatra.

Fonte: http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2013/10/psiquiatra-alerta-para-importancia-da-familia-no-tratamento-de-bipolares.html

« Voltar

Destaques

Seja um Voluntário ABRATA

A ABRATA seleciona candidatos para o trabalho voluntário que estão disponíveis para doar seu talento, tempo e trabalho para a prestação do serviço voluntário ao próximo. Não há necessidade de experiência em lidar com os familiares e as pessoas com transtorno bipolar e depressão, basta apenas ter a vontade e o desejo de ajudar.

Campanha Daiichi

Depressão bipolar: está na hora de falar sobre isso” é a mais nova campanha da Daiichi Sankyo, que tem o apoio da ABRATA - Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos. O objetivo é conscientizar a população em geral sobre a importância da depressão bipolar, doença que atinge mais de seis milhões de brasileiros e depende de melhor diagnóstico e tratamento adequado.

Livros – Depressão Bipolar um Guia Abrangente

Os autores abordam a neurobiologia e a genética, a depressão bipolar em crianças e considerações relativas a suicídio, discutindo abordagens de tratamento específicas, desde o uso do lítio e de drogas anticonvulsivantes até intervenções psicológicas, com base nas pesquisas mais atuais sobre o assunto.

2018-02-02T17:41:40+00:00 30 de novembro de 2013|Categorias: Blog, CONGRESSO SEMINARIO, Família|Tags: , , , |9 Comentários

9 Comentários

  1. Magali Rosa 20 de março de 2014 às 12:00 - Responder

    Obrigado, foi muito importante esta reportagem, acredito que ajudara muitas pessoas!!

  2. Gerson 7 de novembro de 2016 às 08:52 - Responder

    Essa doença , principalmente o seu amplo “campo mental”, deveria ser mais divulgada.
    A fase depressiva é fácil de se identificar, já a oposta é bem mais difícil, pois vejo associações sempre a “uma euforia” vejamos o texto acima:

    “é que a pessoa aumenta a libido, faz tatuagens a mais, coloca piercings e a impulsividade aumenta. A pessoa começa a se encher e achar monótono o que está fazendo, começa a pensar em um monte de outras ideias que seriam mais legais. Então, essas pessoas não conseguem ir para frente”

    Não vejo assim. Essa euforia por vezes não está associada com uma irritabilidade profunda, um desejo de controlar tudo dentro de casa – desrespeitando a escolha do outro e sentid0-se ofendido ( o bipolar) em ser contrariado ou contra argumentado. Dai surgem discussões e agressões ao outro (o familiar) . O bipolar quer ter razão sempre . O bipolar agride quem não aceita sua opinião e acredita que ele é o único certo. Se for enfrentado passa a acusar a todos de não compreendê-lo e coloca-se na condição de vitima. Muitas vezes é esse o quadro que ele leva ao psicologo. E o pior: muitos(talvez a maioria) psicólogos e psiquiatras não aceitam (ou acreditam) na abordagem de um familiar que resolve contatá-lo _sem a presença do paciente_. Não entendem , acham que é um cônjuge queixoso ou um filho rebelde . Busquei o psicologo de minha mulher para lhe falar sobre o transtorno dela. (não fui ouvido, pois ela acha que devo ir a consulta com a minha mulher e expor a situação) Eu disse que não me importo de ir, mas que essa abordagem inicial precisa ser informada sem o paciente _ que não aceita a doença . pergunto então: Tenho um bipolar em casa, que não aceita a doença, embora já tenha sido alertado dela. Como eu vou conseguir ir a terapia _em conjunto_ e dizer: bom doutor, meu o parceiro (o paciente) tem transtorno, mas não aceita a doença, então eu estou aqui para falar sobre isso. Simples assim!
    Que pena que na vida real não funcione! O bipolar não aceita sua intervenção e ainda o acusará de manipulador (o que na verdade é a figura dele na fase não depressiva).

    • Equipe Abrata 6 de fevereiro de 2017 às 11:28 - Responder

      Olá Gerson.

      Agradecemos a sua mensagem.

      Os médicos especialistas em transtorno afetivos têm sugerido a prática da psicoterapia familiar, a fim de que portadores
      e familiares consigam identificar, em suas relações cotidianas, atitudes e comportamentos que possam predispor ao desencadeamento
      dos sintomas.

      Converse com a sua esposa demonstrando a sua boa vontade em ajudá-la. Explique-lhe que não é interferência de sua parte, é
      o comprometimento para vencerem juntos os eventuais problemas de relacionamento.

      Abs.
      Equipe ABRATA.

  3. K 4 de março de 2017 às 01:33 - Responder

    Eu estou com medo de mim, tenho certeza que tenho o transtorno, porém não tenho dinheiro para pagar um psiquiatra…

    • Equipe Abrata 4 de março de 2017 às 06:16 - Responder

      Olá K.

      Você diz que tem certeza de ter o transtorno bipolar, muito embora não tenha ido ao psiquiatra.
      Saiba que o transtorno bipolar é uma doença tratável e que os sintomas podem ser controlados com o tratamento adequado.
      Conheça mais sobre o assunto acessando o site, blog e facebook da ABRATA. Você encontrará um material que lhe dará um
      excelente conhecimento sobre o transtorno bipolar.
      Bem, quanto à consulta médica, sugerimos que solicite informações nos CAPS de sua cidade.

      Os CAPS são instituições destinadas a acolher pacientes com transtornos mentais, estimular sua integração social e familiar e apoiá-los em suas iniciativas de busca da autonomia, oferecendo-lhes atendimento médico e psicossocial.

      Um abraço.
      Equipe ABRATA.

  4. Regina dos Santos 13 de maio de 2017 às 16:41 - Responder

    Passo pela mesma situação do Gerson,que é ter um parente que não aceita tratamento. Só que minha parente é uma irmã viúva, ela não ouve ninguém e já foi internada 2 vezes por se recusar a tomar a medicação, agride os familiares, tem que ser do jeito que ela quer. Na última crise foi tirada da casa da vizinha porque cismou que ia morar ali. Quando em crise somente a internação resolve. Não conseguiríamos ir ao médico porque ela desconfia até da própria sombra, agride a família, os vizinhos ao ponto de alguém ter que gritar mais forte para que ela se contenha, aí tem que chamar o Samu. É muito desgastante para a família, já não sabemos mais o que fazer, já tem 10 anos que ela toma remédios. Gostaria de saber os riscos porque o período entre as crises estão cada vez mais curtos, ela está tendo 2 vezes por ano mesmo medicada.

    • Equipe Abrata 23 de maio de 2017 às 09:50 - Responder

      Prezada Regina.
      De fato a situação de sua irmã é um exemplo de como pode ficar grave o estado de saúde de uma pessoa que não aceita tratamento e, infelizmente, isso acontece com bastante frequência.
      O transtorno bipolar quando não tratado evolui com piora dos sintomas, das crises e da qualidade de vida. Isso sem falar no imenso desgaste que acarreta para toda a família.
      Situações como a que você descreve, em que sua irmã fica em crise e não aceita tratamento, requerem ação conjunta com o psiquiatra, que deve avaliará a situação e orientar se é o caso ou não de internação. Durante a internação, o paciente melhora porque passa a tomar os medicamentos sob supervisão da enfermagem, mas isso pode não garantir que o portador continue o tratamento após a alta.
      Atualmente, essa situação pode ser contornada com o uso de medicamentos injetáveis de longa duração (alguns têm um efeito terapêutico que pode durar até quase um mês). Sugerimos que você converse com um psiquiatra que possa acompanhar o tratamento da sua irmã e ver se, no caso dela, essa possibilidade estaria indicada.
      Um abraço,
      Equipe ABRATA.

  5. Gabrielly 16 de janeiro de 2018 às 21:44 - Responder

    Olá.
    Minha irmã sofre de bipolaridade, já foi diagnosticada faz alguns anos. No início, não havia compreensão da minha família, inclusive minha. Mas atualmente todos fazemos o possível para apoia-la, mesmo nos seus momentos de Mania. Mas ultimamente percebemos uma piora dela. Por mais que a gente tente apoia-la, parece estar cada vez mais difícil pra ela manter a estabilidade, está sempre ansiosa e nervosa. Ela pede para a psiquiatra aumentar os remédios, e às vezes a psiquiatra aumenta, mas essa tendência a continuar nervosa não passa. E ela continua “culpando” as doses de remédios. Mas não acho que seja o caso, creio que seja o acompanhamento da terapia. Houve alguns problemas com o plano de saúde dela e ela perdeu algumas consultas ou aumentou o tempo entre uma consulta e outra.
    O que eu gostaria de saber é qual a frequência mais adequada para ela ir ao psiquiatra e psicólogo. Se não me engano, ela só vai mais ou menos uma ou duas vezes por mês em cada um.

    • Equipe Abrata 27 de janeiro de 2018 às 11:30 - Responder

      Cara Gabrielly

      Pela leitura de sua mensagem verifica-se que a sua mãe está em tratamento e que as idas ao psiquiatra está dentro do padrão.
      Porém, acreditamos que a psicoterapia deve ser mais frequente.
      A combinação do tratamento medicamentoso com a terapia tem ensejado grande melhora para os portadores de transtornos
      afetivos.
      Um abraço
      Equipe ABRATA

Deixe o seu comentário