A ABRATA está em novo endereço

Prezados Amigos!

Temos a satisfação de informar-lhes que a partir do dia 08 de maio de 2017, segunda-feira estamos em nosso novo endereço.

Rua Dr Diogo de Faria 102, Vila Clementino
Tel. (11) 3256-4831 / 11 3256-4698 de 2ª a 6ª feira das, 13h30 às 17h
São Paulo | SP

Os atendimentos oferecidos a população serão mantidos nos mesmos horários e dias da semana.
Aguardamos vocês em nossa nova casa!



Risco do Uso de Psicofármicos em Acidentes de Trânsito

Doris Hupfeld Moreno
Mestre em psiquiatria médica


Dirigir um veículo automotivo é uma atividade complexa que requer integridade do estado mental. Várias são as funções psíquicas necessárias para dirigir. Desde a capacidade de atenção e concentração até a coordenação e a rapidez psicomotora, incluindo reflexos adequados e boa capacidade de decisão, entre outros.

Tanto os transtornos mentais como o uso de psicofármicos ou outras substâncias psicoativas podem comprometer a capacidade de direção. De modo geral, atenta-se pouco a essa limitação na orientação aos pacientes, geralmente por esquecimento. Portanto, médicos, pacientes e familiares devem tomar precauções no sentido de se evitar acidentes de trânsito ou no trabalho, fornecendo orientação adequada, acatando sugestões ou intervindo de modo firme se for o caso do proibir a direção.

Entre os sintomas psicopatológicos, os pacientes podem apresentar distraibilidade e lentificação psicomotora, com reflexos diminuídos, entre outras dificuldades. Com o tratamento adequado, esse comprometimento, tende a se reverter. De acordo com o diagnóstico, serão mediados com antidepressivos, hipnóticos, benzodiazepínicos, antipsicóticos ou combinações destes. Substâncias mais sedativas estão associadas a maior risco de acidentes, principalmente no início do tratamento, porque frequentemente o paciente desenvolve tolerância aos efeitos colaterais.

Em 8% a 10% dos feridos em acidentes de trânsito, encontraram-se substâncias psicoativas. Entretanto, o estudo da interferência dessas, da associação de várias substâncias, do diagnóstico dos feridos, sofre limitações pela dificuldade na coleta de dados confiáveis, de modo que as estatísticas subestimam a realidade.

O papel da psicopatologia dos transtornos mentais em acidentes de trânsito não foi bem investigado, mas parece interferir pouco nas taxas. Pelo contrário, o uso e o abuso de álcool é o maior responsável por acidentes automobilísticos fatais e deveu-se ao álcool e representou a principal causa de morte em homens com menos de 37 anos. Mesmo em níveis baixos, o álcool interfere na atenção e no processamento de informações.

Quanto aos psicotrópicos, os ansiolíticos e os hipnóticos continuam sendo prescritos em larga escala e estão associados a maior risco de acidentes automobilísticos graves, principalmente pelo uso concomitante de álcool e na fase aguda do tratamento. Em relação aos benzodiazepínicos, o aumento do risco de acidentes é dose-dependente e significativamente maior com substâncias de meia vida longa, usadas como ansiolíticos. Além disso, esse risco é maior em motoristas menos experientes e que fizeram uso hipnóticos de curta ação, como zopidona.

A probabilidade de se encontrar drogas psicoativas e sedativas no sangue de indivíduos que causaram acidentes foi quatro vezes maior que nas vítimas desses acidentes. É necessário orientar quanto ao uso de antidepressivos, antipsicóticos e anticonvulsivantes no início do tratamento, principalmente quando associados entre si, antes do desenvolvimento de tolerância.

Cabe ao médico proibir a direção no início do tratamento e alertar a mudança no esquema terapêutico, coibir o uso de álcool e estar atento às alterações psicopatológicas. O cuidado com o comprometimento cognitivo e psicomotor deve ser maior no caso de benzodiazepínicos e estendido para hipnóticos de curta ação.






AJUDE SEUS PACIENTES A PERMANECEREM EMPREGADOS
Charles L. Bowden, MD

DESCOBRI QUE MEU COMPANHEIRO(A) É BIPOLAR... E AGORA?
Dr Teng Chei Tung

TRANSTORNOS DO HUMOR E CRIATIVIDADE

Marcia Britto de Macedo Soares

TRATAMENTOS PSICOSSOCIAIS PARA O TRANSTORNO BIPOLAR
Dra Rosilda Antonio

ALIMENTOS PARA O CÉREBRO: O QUE DEVEMOS COMER PARA MELHORAR OS TRANSTORNOS DO HUMOR
Dr Teng Chi Tung
Médico psiquiatra, membro do Conselho Científico


TRANSTORNO BIPOLAR, DOENÇA MENTAL GRAVE, OCORRE MAIS NO ADULTO JOVEM
Dr Teng Chi Tung
Médico psiquiatra, membro do Conselho Científico


HELP YOUR BIPOLAR DISORDER PATIENTS REMAIN EMPLOYED


TRANSTORNO BIPOLAR DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA
Dra. Sônia Maria M. Palma
Médica Psiquiatra


USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS EM PESSOAS COM TRANSTORNOS DO HUMOR
Luís Pereira Justo
Psiquiatra - Mestre pela EPM/UNIFESP


DEPRESSÃO NA PRÁTICA MÉDICA NÃO PSIQUIÁTRICA
Amanda Galvão de Almeida
Psiquiatra


O IMPACTO DA DEPRESSÃO
Dra. Márcia Britto de Macedo Soares
Psiquiatra


QUALIDADE DE VIDA
Ângela Miranda Scippa. PhD.
Psiquiatra


ATIVIDADE FÍSICA E EXERCÍCIOS NA INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA COMPLEMENTAR DA DEPRESSÃO
Rosa Maria Mesquita
Mestre em Educação Física


ENTREVISTA COM DR HOMERO P. VALLADA FILHO
Dr Homero P. Vallada Filho
Psiquiatra


DISTIMIA – UMA FORMA DA DEPRESSÃO
Belquiz Avrichir
Psiquiatra


AUTO-AJUDA PELA CONVIVÊNCIA
Adriano Persone Prestes de Camargo
Psicólogo


O PAPEL DA ELETROCONVULSOTERAPIA - ECT - NO TRATAMENTO DOS TRANSTORNO
Márcia Britto de Macedo Soares
Psiquiatra


DOENÇA DEPRESSIVA E ESTIGMA
Dra. Denise Gama e Dra. Giuliana Cividanes
Psiquiatra


ANOREXIA E BULIMIA
Dr. André Broking Negrão e Christina Marcondes Morgan
Psiquiatra / Psicóloga


ESPECIAL - PRESTON GARRISON
Preston J. Garrison
Secretário Geral


PSICOTERAPIA COGNITIVA NO TRATAMENTO DA DEPRESSÃO E DO TRANSTORNO BIPOLAR
Dr. Francisco Lotufo Neto
Professor


GRUPOS PSICOEDUCACIONAIS PARA FAMILIARES
Juliana Yacubian
Professora Doutora em psiquiatria


A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES
Maly Delitti
Psicóloga


MENOPAUSA, DEPRESSÃO, E TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL
Dr. Rodrigo da Silva Dias
Psiquiatra


RISCO DO USO DE PSICOFÁRMICOS EM ACIDENTES DE TRÂNSITO
Doris Hupfeld Moreno
Psiquiatra










quem somos | o que é depressão e transtorno bipolar | artigos | agenda | seja um voluntário | doação | contato

Rua Dr Diogo de Faria 102, Vila Clementino, SP - Tel: (11) 3256-4831 / 11 3256-4698 de 2ª a 6ª feira das, 13h30 às 17h

Copyright © 2012 - Abrata - Todos os Direitos Reservados