A ABRATA está em novo endereço

Prezados Amigos!

Temos a satisfação de informar-lhes que a partir do dia 08 de maio de 2017, segunda-feira estamos em nosso novo endereço.

Rua Dr Diogo de Faria 102, Vila Clementino
Tel. (11) 3256-4831 / 11 3256-4698 de 2ª a 6ª feira das, 13h30 às 17h
São Paulo | SP

Os atendimentos oferecidos a população serão mantidos nos mesmos horários e dias da semana.
Aguardamos vocês em nossa nova casa!



A importância das Atividades

Maly Delitti - Dra em Psicologia Experimental
Terapeuta Comportamental Profª da PUC-SP


A pessoa com depressão costuma ter pensamentos e sentimentos que trazem desconforto, e a terapia atua ensinando essas pessoas a lidar com estes pensamentos e sentimentos. Entretanto há outro aspecto que precisa ser bem desenvolvido para que as pessoas possam realmente melhorar sua vida. Os portadores de depressão costumam ter grande dificuldade em iniciar atividades ou começar a agir. Levantar da cama, tomar banho, dar um telefonema ou preparar uma refeição são atividades muito simples, mas para a pessoa deprimida podem ser muito difíceis, quase impossíveis de executar. Sabe-se, porém, que quando alguém faz alguma coisa sempre existe uma consequência desta ação ou deste comportamento. Por exemplo, se o indivíduo deprimido, mesmo com muita dificuldade procura um amigo é muito provável que esta pessoa, como consequência de seu comportamento de procurar o amigo, possa bater um papo, sair ou simplesmente se sinta melhor por ter feito isto. Ações ou comportamentos de aproximação geralmente são seguidas de consequências positivas e não agir ou não se comportar tem como consequência a manutenção das coisas como estão, o que para a pessoa com depressão significa continuar se sentindo sozinha, triste, abandonada ou desanimada.

Sabemos que para pessoas com este problema é muito difícil começar a fazer qualquer coisa, mas sabe - se também que se envolver em atividades é outro tipo de "remédio" para tratamento da depressão. A família pode ajudar nisso convidando e estimulando a pessoa deprimida, propondo atividades, que podem ser as mesmas que a pessoa fazia e gostava de fazer antes da depressão ou outras novas que possam ser agradáveis. Quando falamos em atividades, ações ou comportamentos, não estamos nos referindo a coisas complicadas ou trabalhosas. Dar uma volta, cuidar de uma planta, ir até à padaria ou conversar com alguém são coisas simples, que embora para a pessoa deprimida possam ser difíceis, podem ser conseguidas e costumam ser seguidas de sensações boas e melhora no humor.

Ter atividades, agir ou emitir comportamentos é sempre produtivo para as pessoas portadoras de depressão. Entretanto, vale a pena ressaltar que estas atividades devem envolver coisas que eram agradáveis no passado do indivíduo ou que podem ser agradáveis no momento, já que o objetivo é aumentar as gratificações e o bem estar da pessoa. Comportamentos que aproximem o indivíduo portador de depressão de pessoas queridas, ou de situações agradáveis que outrora faziam parte da vida deste indivíduo são muito benéficas como parte do tratamento. Ainda que no começo possa ser difícil para a pessoa deprimida iniciar estas atividades, elas podem fazê-lo, e assim que iniciam já se sentem melhor.

Assim, além de tomar a medicação correta, indivíduos deprimidos devem se envolver em atividades, pois, com isso, poderão se sentir melhor, mais ativas, menos desanimadas e solitárias. É um grande passo para a recuperação.





AJUDE SEUS PACIENTES A PERMANECEREM EMPREGADOS
Charles L. Bowden, MD

DESCOBRI QUE MEU COMPANHEIRO(A) É BIPOLAR... E AGORA?
Dr Teng Chei Tung

TRANSTORNOS DO HUMOR E CRIATIVIDADE

Marcia Britto de Macedo Soares

TRATAMENTOS PSICOSSOCIAIS PARA O TRANSTORNO BIPOLAR
Dra Rosilda Antonio

ALIMENTOS PARA O CÉREBRO: O QUE DEVEMOS COMER PARA MELHORAR OS TRANSTORNOS DO HUMOR
Dr Teng Chi Tung
Médico psiquiatra, membro do Conselho Científico


TRANSTORNO BIPOLAR, DOENÇA MENTAL GRAVE, OCORRE MAIS NO ADULTO JOVEM
Dr Teng Chi Tung
Médico psiquiatra, membro do Conselho Científico


HELP YOUR BIPOLAR DISORDER PATIENTS REMAIN EMPLOYED


TRANSTORNO BIPOLAR DA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA
Dra. Sônia Maria M. Palma
Médica Psiquiatra


USO DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS EM PESSOAS COM TRANSTORNOS DO HUMOR
Luís Pereira Justo
Psiquiatra - Mestre pela EPM/UNIFESP


DEPRESSÃO NA PRÁTICA MÉDICA NÃO PSIQUIÁTRICA
Amanda Galvão de Almeida
Psiquiatra


O IMPACTO DA DEPRESSÃO
Dra. Márcia Britto de Macedo Soares
Psiquiatra


QUALIDADE DE VIDA
Ângela Miranda Scippa. PhD.
Psiquiatra


ATIVIDADE FÍSICA E EXERCÍCIOS NA INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA COMPLEMENTAR DA DEPRESSÃO
Rosa Maria Mesquita
Mestre em Educação Física


ENTREVISTA COM DR HOMERO P. VALLADA FILHO
Dr Homero P. Vallada Filho
Psiquiatra


DISTIMIA – UMA FORMA DA DEPRESSÃO
Belquiz Avrichir
Psiquiatra


AUTO-AJUDA PELA CONVIVÊNCIA
Adriano Persone Prestes de Camargo
Psicólogo


O PAPEL DA ELETROCONVULSOTERAPIA - ECT - NO TRATAMENTO DOS TRANSTORNO
Márcia Britto de Macedo Soares
Psiquiatra


DOENÇA DEPRESSIVA E ESTIGMA
Dra. Denise Gama e Dra. Giuliana Cividanes
Psiquiatra


ANOREXIA E BULIMIA
Dr. André Broking Negrão e Christina Marcondes Morgan
Psiquiatra / Psicóloga


ESPECIAL - PRESTON GARRISON
Preston J. Garrison
Secretário Geral


PSICOTERAPIA COGNITIVA NO TRATAMENTO DA DEPRESSÃO E DO TRANSTORNO BIPOLAR
Dr. Francisco Lotufo Neto
Professor


GRUPOS PSICOEDUCACIONAIS PARA FAMILIARES
Juliana Yacubian
Professora Doutora em psiquiatria


A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES
Maly Delitti
Psicóloga


MENOPAUSA, DEPRESSÃO, E TERAPIA DE REPOSIÇÃO HORMONAL
Dr. Rodrigo da Silva Dias
Psiquiatra


RISCO DO USO DE PSICOFÁRMICOS EM ACIDENTES DE TRÂNSITO
Doris Hupfeld Moreno
Psiquiatra










quem somos | o que é depressão e transtorno bipolar | artigos | agenda | seja um voluntário | doação | contato

Rua Dr Diogo de Faria 102, Vila Clementino, SP - Tel: (11) 3256-4831 / 11 3256-4698 de 2ª a 6ª feira das, 13h30 às 17h

Copyright © 2012 - Abrata - Todos os Direitos Reservados