Menopausa, Depressão, e Terapia de Reposição Hormonal

A menopausa causa depressão?

O número de mulheres na menopausa vem crescendo com o aumento da expectativa de vida e a depressão é uma das enfermidades psíquicas mais comuns. Como o mito de que há depressão na menopausa é arraigado na sociedade ocidental, até mais de 2/3 das mulheres temem apresentá-la, embora este temor não esteja associado à forma como elas virão a vivenciar o climatério ( período de vida da mulher logo após a ultima menstruação). Os fatores psicossociais são os que têm sido mais associados à depressão e seriam: mudanças nos papéis familiares, eventos estressantes da vida, envelhecimento e perda do papel reprodutivo / feminilidade. Ainda influenciam normas e valores culturais e quanto a mulher investe na valorização das alterações fisiológicas desse período. O “efeito dominó” (o aparecimento dos sintomas físicos na perimenopausa levando as alterações do humor) de maneira isolada e de maneira generalizada não explicaria a depressão na menopausa, mas poderia ser significativa em mulheres vulneráveis.

É importante ressaltar que alterações do humor como tristeza, angústia, crises de choro e irritabilidade são sintomas que fazem parte do inicio do climatério. São sintomas que também ocorrem na depressão, mas isoladamente não significam que a mulher está deprimida.

Como a depressão ocorre na menopausa?

O mecanismos fisiológico que se propõe para explicar a depressão no climatério até o momento seria o déficit de estrógenos ( hormônios femininos, por suas repercussões no sistema nervoso central (SNC). Pesquisas tem associado o estrógeno como estimulador dos sistemas serotoninérgicos e adrenérgicos (sistemas que estão deficientes na pessoa deprimida), facilitador da resposta aos antidepressivos e estimulante de um hormônio que esta relacionado com o crescimento de neurônios. A depressão não ocorres somente devido a um fator, e sim uma serie de fatores, lembre-se esse é só um mecanismo que pode explicar a depressão na menopausa. Muitos estudos devem ser feitos ainda para que se tenha uma resposta definitiva.

Existe um fator de risco para a depressão na menopausa?

Um período prolongado de perimenopausa (período de corresponde a aproximadamente 1 ano antes e depois da última menstruação) aumentaria moderadamente o risco para depressão, enquanto a perimenopausa por si aumentaria discretamente. Um episódio depressivo prévio, depressão puerperal, depressão induzida pelo uso de anticoncepcionais orais e transtorno disfórico pré-menstrual (TPM) também aumentariam o risco.

E a menopausa cirúrgica, a que ocorre depois de uma cirurgia para retirada do útero e/ou ovários, pode levar a depressão?

A menopausa cirúrgica não estaria associada a depressão. A depressão nesses casos seria secundária a uma série de fatores, tais como: episódio depressivo prévio, uso nocivo/ dependência de álcool, baixo nível educacional, alto nível de estresse psicológico prévio e história de doença psiquiátrica. Podem ocorrer sintomas depressivos, não sendo necessariamente depressão, e sim sintomas relacionados a diminuição da produção de estrógenos (semelhantes a uma menopausa natural).

Qual o papel da terapia de reposição hormonal na menopausa?

A Terapia de Reposição Hormonal (TRH) utilizada no tratamento dos sintomas da menopausa pode ser um coadjuvante no tratamento da depressão na menopausa. Estudos comprovam a melhora dos sintomas vasomotores ( “fogachos” – ondas de frio e calor seguidas de suor intenso), lubrficação vaginal, a qualidade do sono, a libido, diminuição da osteoporose e a incidência de doenças cardiovasculares (infarte agudo do miocárdio – IAM e acidentes vasculares cerebrais – AVC) e teria provável efeito protetor contra a doença de Alzheimer.

A TRH não estaria isenta de riscos ( por exemplo: câncer de mama e endométrio e litíase biliar). A associação com progesterona poderia diminuir esses riscos, mas em contrapartida haveria um possível efeito desestabilizador do humor contrapondo os efeitos positivos dos estrógenos. O papel dos andrógenos (hormônios masculinos) ainda é pouco estudado, havendo indícios com bem-estar e humor.

A melhora dos sintomas físicos melhoraria também a irritabilidade, ansiedade e libido. Quanto aos aspectos cognitivos (atenção, memória e habilidades de comunicação), a TRH com estrógenos também parece trazer benefícios, embora mais estudos sejam necessários para que se comprovem essas observações.

A TRH pode ajudar no tratamento da depressão na menopausa?

Apesar dos poucos trabalhos publicados na área, há evidências de que a TRH teria propriedades antidepressivas ou aumentaria a eficácia dos antidepressivos. O potencial benefício da TRH como coadjuvante no tratamento da depressão necessita mais estudos para que seja estabelecido, principalmente quanto ao papel dos hormônios andrógenos. Deve-se lembrar que as reações à TRH variam de mulher para mulher, portanto não podem ser padronizadas.

A avaliação de sintomas depressivos na mulher nessa fase da vida deve ser criteriosa avaliando-se toda a vida reprodutiva e psiquiátrica para que se estabeleça o tratamento mais adequado.

Mulheres sem história prévia de transtornos do humor, apresentando sintomas depressivos ou depressões leves/moderadas e com sintomas vasomotores poderiam ser tratadas somente com TRH. Se os sintomas persistirem por mais de 1 mês deve ser feita a associação com antidepressivos. Depressões graves devem ser sempre tratadas com antidepressivos. A colaboração entre psiquiatras e ginecologistas é de fundamental importância para o bem estar da mulher nesse período de sua vida.

Dr. Rodrigo da Silva Dias

« Voltar

Destaques

Seja um Voluntário ABRATA

A ABRATA seleciona candidatos para o trabalho voluntário que estão disponíveis para doar seu talento, tempo e trabalho para a prestação do serviço voluntário ao próximo. Não há necessidade de experiência em lidar com os familiares e as pessoas com transtorno bipolar e depressão, basta apenas ter a vontade e o desejo de ajudar.

Campanha “Pode Contar”

A campanha "Pode Contar", é uma iniciativa do Laboratório Sanofi-Medley, com o apoio da ABRATA, que visa ajudar, com empatia, pessoas que lhe sejam próximas e colaborando para o enfrentamento da depressão. É também um canal de ajuda para quem apresenta depressão, fornecendo informações sobre os sintomas, causas, como lidar, e acima de tudo: como fazer para pedir ajuda e não se "sentir sozinho".

Campanha “Depressão Bipolar, está na hora de falar sobre isso”

Depressão bipolar: está na hora de falar sobre isso” é a mais nova campanha da Daiichi Sankyo, que tem o apoio da ABRATA - Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos. O objetivo é conscientizar a população em geral sobre a importância da depressão bipolar, doença que atinge mais de seis milhões de brasileiros e depende de melhor diagnóstico e tratamento adequado.