Consciência Através Dos Olhos De Van Gogh

 

VAN GOGH

Todos nós sabemos da importância da conscientização sobre a saúde mental, e fazer a nossa parte para reduzir o estigma que ainda envolve os distúrbios como a bipolaridade. Dia 30 de março, escolhido para ser Dia Mundial do Transtorno Bipolar, também é o aniversário de Van Gogh, que é um conhecido artista impressionista holandês. Porque o dia do seu aniversário é o mesmo dia que elegemos para ser o dia do Transtorno Bipolar? Sabe-se que ele também tinha transtorno bipolar.

WBD_PORTUGUES

Eu venho de uma longa jornada pessoal com uma bipolar, mas a bipolaridade ainda é parte de quem eu sou, mesmo que eu esteja estável. É por isso que acho que é tão importante continuar a falar e fazer todo o possível para remover o estigma social que ainda cerca a doença mental.

Antes de setembro de 2010, eu tinha apenas ouvido falar vagamente sobre Van Gogh. Foi então, ao atender à faculdade, decidi dar uma aula de arte, e foi aí que eu aprendi sobre este homem brilhante e artista plástico. Ele era um homem humilde, um homem que viu muita beleza neste mundo, mais do que qualquer pessoa. Para o nosso trabalho, foi necessário fazer uma pesquisa sobre um artista, escrever, fazer uma apresentação oral e criar a nossa própria obra de arte, incorporando o estilo do artista em nosso desenho. Então, escolhi Van Gogh. Eu amei sua arte e as suas cores e quando descobri que ele também sofreu com o transtorno bipolar, senti uma conexão pessoal com ele.

Sua arte era desconhecida durante a sua vida. Foi só depois de sua trágica morte, aos 37 anos, que o mundo veio conhecer a sua obra, e o quanto ele realmente era incrível. Que beleza ele retratou! Sua paixão pela arte era evidente em cada peça que pintou; cada peça mostrou como o seu trabalho era fascinante e a sua mente brilhante. Ele amava usar as cores vibrantes, pintou da forma que gostaria de ver o mundo. Fez ver a beleza na criação de Deus, mas foi difícil para ele ver a beleza em sua vida, porque sua vida estava envolta em uma escuridão, um profundo desespero. Ele queria ver o seu futuro através dessas cores, não a dor em sua mente. Ele era apaixonado pelo que fez. Pintou com forte e crua emoção. Encontrou a sua libertação através do seu amor em colocar o seu pincel na tela.

Mesmo em meio a loucura da sua mente, a sua pintura revela uma história diferente. Uma história de serenidade e beleza, ao contrário de qualquer outro artista. Somente pouco antes de sua morte, que as suas pinturas começaram a mostrar uma outra história.  É tão verdade quando dizem que uma pintura pode expressar mais que mil palavras, sem qualquer palavra falada, sua obra retratou um homem que estava desesperadamente à procura de algo para agarrar. Ele tinha um jeito próprio com o papel e o pincel para dar vida a tudo o que pintou. Enquanto as pinturas no final de sua vida expressam profunda tristeza por trás daqueles olhos, ele ainda tinham uma maneira de mostrar o seu desejo de regressar ao seu anterior momento estável.

Quero trazer à luz para a sua vida, compartilhar porque eu escolhi essa tema para a aula de arte e por isso é que eu senti a necessidade de escrever no meu blog sobre este artista brilhante. Ele era como nós, embora nossa jornada seja diferente, nós lutamos a mesma guerra interior em nossas mentes. Quero compartilhar um exemplo de sua vida, mas de uma maneira diferente, que você pode realmente ver o meu ponto de vista e o que eu estou tentando passar.

Num programa de TV foi apresentado o episódio “Vincent e o médico”, o foco era Van Gogh. Eu achei incrível que um programa de TV e os produtores poderiam fazer um episódio sobre este homem brilhante e também a forma de como eles retrataram a saúde mental sem estigmatizar, foi maravilhoso! A vida de Van Gogh teve um fim trágico quando ele tirou a própria vida em idade produtiva, aos 37 anos. No programa foram mostrando a diferença entre a genialidade e a saúde mental. O médico e seu companheiro viajaram para fora do seu tempo, para a época de Van Gogh, para tentar convencê-lo de não acabar com sua vida.  Lhe mostrar que a sua vida era importante, que ele realizou mais do que jamais pensamos que fosse possível, que ele era agora um dos melhores ou o melhor artista de todos os tempos. Eles o trouxeram de volta ao presente, para que ele pudesse ver a sua obra exibida em todos os museus. Ele deixou um legado incrível, mas não viveu para vê-lo, infelizmente, na época, a pesquisa para a saúde mental não era como ela é hoje. Quando eles viajaram de volta na esperança de que desta vez seria diferente, eles descobriram, que Van Gogh ainda pensava em terminar a sua vida.

O companheiro e médico tentaram convencer sua mente em torno da decisão. Como poderia, um homem, que tinha um talento e tanto para oferecer ao mundo, desistir de suas esperanças e dos seus sonhos? No entanto, infelizmente esta é a realidade que muitos enfrentam na vida real de hoje, que estão sofrendo em silêncio, que têm essas mentes brilhantes e muito a oferecer neste mundo, mas ainda não pode vê-la por si mesmos. Muitas vezes incapazes de obter a ajuda que necessitam, por isso a conscientização é tão vitalmente importante.

O mundo veio a conhecer este artista brilhante. E através do tempos percorremos um longo caminho, mas a pesquisa em saúde mental, ainda era tão distante. Para um programa produzir um episódio de uma pessoa que tem a doença mental de uma forma tão carinhosa, mostra que estamos fazendo progressos na sensibilização e desejo de que o estigma fique fora. Assim, como nós celebramos o aniversário de Van Gogh, não vamos apenas focar em seu trágico fim, mas o foco sobre o tipo de homem que ele era.

Lembre-se que temos presentes para oferecer neste mundo, você é brilhante em sua própria maneira bonita, não deixe que qualquer diagnóstico ou alguém tirar isso de você. A vida de Van Gogh nos mostra que podemos levar a nossa dor e transcendê-la em algo bonito, ele tinha um jeito de pintar emoções, visto que não conseguia encontrar as palavras para falar.

Então eu lhe pergunto como você, fora da doença, está tratando o estigma? Você está compartilhando a sua história?

Não se esconda atrás de sua dor, seja parte da mudança para apagar o estigma social de uma vez por todas.

Fonte: : http://ibpf.org/blog/awareness-through-eyes-van-gogh#sthash.dutMSUJF.dpuf

« Voltar

Destaques

Seja um Voluntário ABRATA

A ABRATA seleciona candidatos para o trabalho voluntário que estão disponíveis para doar seu talento, tempo e trabalho para a prestação do serviço voluntário ao próximo. Não há necessidade de experiência em lidar com os familiares e as pessoas com transtorno bipolar e depressão, basta apenas ter a vontade e o desejo de ajudar.

Campanha “Pode Contar”

A campanha "Pode Contar", é uma iniciativa do Laboratório Sanofi-Medley, com o apoio da ABRATA, que visa ajudar, com empatia, pessoas que lhe sejam próximas e colaborando para o enfrentamento da depressão. É também um canal de ajuda para quem apresenta depressão, fornecendo informações sobre os sintomas, causas, como lidar, e acima de tudo: como fazer para pedir ajuda e não se "sentir sozinho".

Campanha “Depressão Bipolar, está na hora de falar sobre isso”

Depressão bipolar: está na hora de falar sobre isso” é a mais nova campanha da Daiichi Sankyo, que tem o apoio da ABRATA - Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos. O objetivo é conscientizar a população em geral sobre a importância da depressão bipolar, doença que atinge mais de seis milhões de brasileiros e depende de melhor diagnóstico e tratamento adequado.

2 Comentários

  1. Cláudio 20 de março de 2014 às 20:16 - Responder

    Boa noite

    Sou bipolar.
    Será que alguém da ABRATA pode entrar em contato, estou numa situação difícil.
    Meu irmão pediu a minha interdição. Tomo Carbolitium e 800 mg de carbamazepina por dia e mais outros remédios , estou totalmente controlado desde 2006.
    Meu Irmão influenciou o perito, que me deu o laudo de incapaz e o promotor o seguiu.
    Sei que tenho como vencer está ação, mas gostaria da ajuda da ABRATA.

    Att
    Cláudio

    • Equipe Abrata 6 de março de 2017 às 10:23 - Responder

      Olá Cláudio.

      Procure um advogado ou a defensoria pública de sua cidade para fornecer-lhe mais informações o processo de interdição.

      Abs.
      Equipe ABRATA.

Deixe o seu comentário